Você sabe o que é infarto fulminante? Só de ler, o nome assusta, não é mesmo? E não é à toa! Afinal, as consequências desse mal súbito podem ser bem complicadas.

Enquanto certas atitudes ajudam a evitar o aparecimento do problema, há fatores que aumentam o risco de ter infarto fulminante.

Assim, é bem importante se informar sobre a doença, tanto para se prevenir quanto para saber o que fazer caso alguma pessoa sofra um infarto fulminante perto de você.

Índice deste artigo:

  1. O que é o infarto fulminante?
  2. Taxas de mortalidade
  3. Sintomas do infarto fulminante
  4. Causas do infarto
  5. O que fazer diante de um infarto fulminante?
  6. Prevenção do infarto fulminante

1 – O que é o infarto fulminante?

O infarto fulminante ocorre quando, devido a algum bloqueio do fluxo de sangue para o coração, há a morte do tecido cardíaco. O que causa a interrupção do fluxo sanguíneo é o entupimento das artérias coronárias.

Tanto a genética quanto hábitos ruins repetidos durante a vida podem contribuir para deixar uma pessoa mais vulnerável ao infarto fulminante, que tem suas origens em disfunções no sistema cardiovascular.

2 – Taxas de mortalidade

As taxas de mortalidade por infarto fulminante são altas, mas quando se segue os protocolos de tratamento há chances de recuperação, que chegam a mais da metade.

De acordo com uma pesquisa de 2004, publicada na Revista da Associação Médica Brasileira, “estudos epidemiológicos revelam taxas de mortalidade geral ao redor de 30%, sendo que metade dos óbitos ocorrem nas primeiras duas horas do evento e 14% morrem antes de receber atendimento médico”.

Segundo um artigo de 2021 da CNN Brasil, mais de 230 mil brasileiros morreram por doenças cardiovasculares ao longo do ano. A maioria tinha idade entre 70 e 79 anos e mais ou menos ⅓ dessas mortes (73.035) foi causadas por infarto.

Na maioria dos casos, o óbito pela condição é decorrente de atrasos no socorro do paciente, já que quando se trata de um infarto fulminante, cada minuto faz diferença para salvar o paciente.

Saber como identificar e como agir caso você ou alguém esteja sofrendo um infarto fulminante pode ser a diferença entre a vida ou da morte.

3 – Sintomas do infarto fulminante

Dor no peito
A dor no peito é um dos principais sintomas do infarto fulminante

O sintoma mais comum associado a um caso de infarto fulminante é a dor no peito. A intensidade e sensação da dor variam conforme o caso e a pessoa afetada.

Por exemplo, nos homens, a dor do infarto costuma ser percebida como uma pressão no peito. Além disso, ela pode aparecer ao lado de suor frio, dor nos braços, dor na boca do estômago e algumas vezes até na mandíbula. Tonturas e desmaios também são comuns.

Nas mulheres, a apresentação dos sintomas do infarto fulminante varia mais. Nelas, as dores são descritas muitas vezes como sensação de queimação e pontadas na região do peito.

Quando se trata de jovens, os sintomas podem ser ainda mais intensos. Alguns casos envolvem dor no peito que irradia para os braços, náuseas e vômitos.

O quadro a seguir descreve os principais sintomas que devem acender o sinal de alerta:

Sintoma Descrição da sensação Causa
Falta de ar Pode ocorrer durante atividades físicas, repouso ou até dormindo. O sangue volta para as artérias pulmonares, já que o coração não consegue acompanhar a velocidade do fluxo sanguíneo.
Tosse persistente Tosse que produz muco branco ou levemente rosado. Mesma causa que o sintoma da falta de ar, descrito anteriormente.
Edema Inchaço nos pés, tornozelos, pernas, abdome e ganho de peso. Assim como um coração fraco não consegue empurrar o sangue para os pulmões, o mesmo ocorre com outras partes do corpo, fazendo com que o sangue se acumule nas extremidades, por exemplo.
Fadiga e cansaço Sensação de cansaço até nas atividades cotidianas, como caminhadas leves ou subir escadas. O coração não consegue bombear sangue para suprir as necessidades dos tecidos musculares.
Náusea e falta de apetite Sensação de estar com o estômago cheio e constante falta de apetite. O sistema digestivo sofre com o mal fluxo sanguíneo, reduzindo a sua atividade.
Confusão mental Perda da memória e dificuldade de se concentrar. Acúmulo de sódio no sangue decorrente de atividade pobre dos rins pode causar confusão mental.
Coração acelerado Palpitações Para suprir o fluxo de sangue interrompido pelo entupimento das artérias, o coração bombeia sangue com mais violência.

4 – Causas do infarto

Normalmente, o infarto fulminante surge devido a uma condição pré existente, como diabetes, doença arterial coronária, obesidade e pressão alta.

Quando não são decorrentes de doenças genéticas, a maioria dos casos onde há entupimento das artérias é fruto de um estilo de vida e hábitos ruins cultivados ao longo da vida.

5 – O que fazer diante de um infarto fulminante?

Ajuda em caso de infarto
É importante manter a calma para ajudar alguém com sintomas de infarto

É imprescindível que, ao presenciar um caso de infarto, você ligue imediatamente para uma ambulância do SAMU ou leve a vítima imediatamente para o hospital. Isso porque são necessários equipamentos profissionais de ambulatório para reanimar a pessoa.

No entanto, enquanto espera socorro médico, é importante manter-se tranquilo para lidar corretamente com a pessoa que está infartando.

Ela deve permanecer calma e ficar em um local fresco e arejado. Além disso, é preciso checar constantemente a sua consciência, batimentos nos pulsos e movimentos respiratórios.

Se a vítima apresentar parada dos batimentos cardíacos ou da respiração, deve-se iniciar a massagem cardíaca.

E se eu estiver sozinho?

Caso você esteja sozinho e experiencie um infarto, o melhor a se fazer é tossir com força repetidas vezes, inspirando antes de tossir. A tosse deve ser profunda, como ocorre quando se está expelindo catarro de dentro do peito.

A sequência de inspiração e tosse deve ser feita a cada dois segundos, até que o auxílio médico chegue.

A inspiração profunda ajuda a levar o oxigênio para os pulmões, enquanto a tosse contrai o coração. Assim, o sangue circula mais, dando mais tempo e ar para que a vítima faça uma ligação pedindo socorro.

6 – Prevenção do infarto fulminante

A mudança de hábitos é a estratégia principal na prevenção e recuperação do infarto fulminante, principalmente entre jovens.

Algumas práticas são essenciais para cuidar do coração e mantê-lo saudável. Mas, não precisa esperar ter um infarto fulminante para começar a adotar esses hábitos. Entre eles, estão:

  • Praticar atividades físicas regulares
  • Priorizar a qualidade no sono
  • Evitar o estresse e cuide da saúde mental
  • Alimentar-se bem e com calma
  • Manter os índices de colesterol e da pressão arterial sob controle
  • Evitar bebidas alcoólicas e tabaco
  • Consultar o médico regularmente.

A alimentação saudável merece destaque na lista, já que na maioria dos casos, o bloqueio das artérias se dá pelo acúmulo de tecido adiposo (de gordura), que contribui com a produção de substâncias inflamatórias.

No mesmo sentido, é importante dar atenção ao peso e à prática de atividades físicas, já que a obesidade e o sedentarismo são fatores de risco.

Fonte: https://www.mundoboaforma.com.br

Deixe uma resposta

Assine a nossa newsletter

%d blogueiros gostam disto: