26 de setembro de 2022

A NUVEM DE GLÓRIA (“SHEKINAH”)

Apresentamos a seguir um resumo abordando a história, função e ministério da “nuvem de glória” em relação aos filhos de Israel e ao Tabernáculo, que constituíam a “congregação no deserto” (Êx 40.1-38)

  1. O Senhor conduziu Israel na saída do Egito para a terra prometida através de uma coluna de nuvem (de dia) e de fogo (de noite). Esta é a primeira menção que as Escrituras falam à respeito da nuvem (Êx 13.21, 22).
  2. A nuvem guiou Israel através do mar Vermelho, trouxe trevas para os egípcios, mas iluminou o caminho para os israelitas, o povo de Deus (Êx 14.19-31).
  3. A glória do Senhor apareceu na nuvem (Êx 16.10).
  4. A nuvem por fim conduziu o povo para o Monte Sinai e colocou-se sobre o monte e a voz de Deus falou à nação através da nuvem, a mensagem para Israel era “siga a nuvem” (Êx 19.9-19).
  5. Moisés subiu ao monte Sinai em meio à nuvem e esteve ali 40 dias e 40 noites, ali recebeu os Dez Mandamentos: (1) as leis morais, (2) as civis e as cerimoniais, e (3) a revelação do Tabernáculo (Êx 24.15-18).
  6. Durante a dedicação do Tabernáculo, a nuvem de glória (os hebreus referem-se a ela como “Shekinah”), deixou o Sinai e habitou no Tabernáculo de Moisés, no Lugar Santíssimo, sobre o trono de misericórdia (propiciatório) a tampa da arca da aliança, onde Deus falava com Moisés e lhe dava instruções (Êx 40.34-38; Lv 16.1, 2).
  7. A nuvem guiou todas as jornadas de Israel pelo deserto, até levá-los para a terra de Canaã, pois quando a nuvem se movia, eles se moviam, quando parava, eles paravam e acampavam e os sacerdotes deveriam estar atentos à nuvem, dia e noite e deveriam tocar as trombetas para que o acampamento de Israel se movesse de acordo com a orientação de Deus (Nm 9.15-23; Dt 1.33).
  8. Quando o Templo de Salomão foi edificado, a nuvem de glória veio sobre ele, habitando sobre a arca da aliança, no Lugar Santíssimo, a qual tinha sido previamente trazida do Tabernáculo de Davi (1 Rs 8.10,11).
  9. O final da história da nuvem de glória no Antigo Testamento é trágico em relação à nação de Israel, visto que a nuvem afastou-se do Templo, pois este havia sido profanado com muitas e terríveis abominações e não mais retornou. (Ez 10.1-22
  10. Tudo que a nuvem representava para Israel, o Espírito Santo representa para a Igreja (Jo 14.17):

  • O Espírito nomeia e comissiona ministros (At 13.1).
  • O Espírito dirige os ministros onde pregar (At 16.6).
  • O Espírito instrui o que devem pregar (1 Co 2.14).
  • O Espírito falou através dos profetas (At 1.16).
  • O Espírito contende com os pecadores (Gn 6.3).
  • O Espírito consola (At 9.31).
  • O Espírito nos ajuda em nossas fraquezas (Rm 8.26).
  • O Espírito nos ensina (Jo 14.26).
  • O Espírito guia (Jo 16.13).
  • O Espírito santifica (Rm 15.16).
  • O Espírito testifica de Cristo (Jo 15.26).
  • O Espírito glorifica a Cristo (Jo 16.14).
  • O Espírito tem poder próprio (Rm 15.13).
  • O Espírito sonda tudo (Rm 11.33,34)..
  • O Espírito habita com os santos (Jo 14.17).
  • O Espírito pode ser entristecido (Ef 4.30).
  • O Espírito pode sofrer resistência (At 7.51).
  • O Espírito proporciona segurança (Rm 8.16).
  • O Espírito ilumina (1 Co 2.12-14).
  • O Espírito distribui os dons (1 Co 12.1-11).
  • O Espírito chama, capacita e envia missionários (At 13.2).P

Pastor Antonio Romero Filho

Sobre o Autor

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: